quarta-feira, 15 de abril de 2009

Amor virtual não é Real ????

Direto do Blog da DevaThai

DevaThai é uma moça linda casada com indiano e seu amor começou pela net,espero em breve posta na integra a história dela,gostei muito do ponto de vista dela em mostra que o amor virtual nada mais é que Real....Parabéns amada DevaThai...mandou bem...Namastê...Deva

Dicas Latinas
Hoje serei grossa, mas não muito curta.
Mulheres do meu Brazil, acordem. Olha, eu sei que não sou nenhum exemplo a ser seguido de bom-senso ao tomar decisões, mas vamos lá.
Venho recebendo muitos, muitos emails e acaba que circula por aí na neti que os relacionamentos online entre indianos e brasileiras estão cada vez mais comuns e...com finais nada felizes.

Para tentar desenvolver um pouco melhor o meu raciocínio, vou começar falando sobre a questão do real x virtual. Não vou entrar em detalhes teóricos de quem disse isso ou aquilo, pois não é essa a intenção do presente blog.

Parece que as pessoas, de uma forma geral, ainda não perceberam que vivemos na era do desencaixe entre o tempo e espaço. Explico-me: por muito, muito tempo, a realidade era percebida em função de duas coisas: espaço e tempo. Realidade era basicamente aquilo que acontecia em um determinado espaço em uma determinada fração de tempo. Realidade, por exemplo, era você estar em uma balada e por volta de 1 da manhã topar com o cara que seria o grande amor da sua vida. Ele estava ali, era ‘real’, vocês conversaram, se tocaram, trocaram telefone e o relacionamento se instalou, tudo dentro de uma previsível noção tempo-espacial.

Pois bem, o tempo passou e com ele veio a modernidade, tecnologia, globalização e todo o blábláblá com que estamos há tempos familiarizadas. De repente, a realidade se transformou, e muita gente ainda insiste em não perceber isso. Batem no peito e orgulhosamente gritam ‘eu não acredito em amor virtual!’, ou ainda ‘Amor online não é real!’. Eu perdi as contas das vezes em que fui afrontada, questionada e até humilhada por amar alguém que não compartilhava o mesmo espaço e tempo que eu.

Parece que há um desaviso, uma cegueira ou uma ingenuidade geral, que impede que as pessoas notem que, no fim, o virtual nada mais é que uma nova faceta da realidade. Querendo ou não, minhas caras, o virtual é o real sem a velha ligação espaço-temporal. De repente, você se vê compartilhando sua vida com alguém lá do outro lado do mundo. Você num espaço, ele noutro. Em tempos diferentes. Mas o sentimento é o mesmo. Você se angustia por não poder tocar a pessoa, sentir o cheiro dela. E acaba se esquecendo que o que os une é um sentimento verdadeiro. Que o virtual não passa de uma instância do real (há até a expressão ‘realidade virtual’, lembra?). E que, assim como na realidade tempo-espacial (ou seria espaço-temporal?),nada é previsível nessa vida.

O cara da balada pode ter passado de príncipe a sapo em poucos meses. O mesmo pode acontecer com o cara do outro lado da tela. É clichê, mas vou repetir: no amor, não há garantias. A gente se acostuma a esperar demais, a cobrar demais. E fantasiamos. De repente, saltam aos olhos promessas de um amor infinito no melhor estilo conto de fadas com o clássico ‘e foram felizes para sempre’. Sinto muito, mas é hora de acordarmos.

Vamos acordar para a realidade multifacetada que se nos apresenta no presente momento: ninguém é responsável nem pela sua, nem pela minha, nem pela felicidade de ninguém nesse mundo. Nós viemos a esse mundo sozinhas, e sozinhas deixaremos ele. Nesse meio tempo entre a vida e a morte, insistimos em atribuir a outrém a dura responsabilidade de nos fazer feliz. Cobramos demais, desconfiamos demais, fazemos drama demais e no fim... saímos machucadas e culpando meio mundo por uma infelicidade que foi essencialmente gerada por nós mesmas.

Se entramos em um relacionamento com o cara da balada, ou o cara do escritório, ou o cara da igreja sem esperarmos muito e com um pé atrás, por que diabos haveria de ser diferente em uma relação online? De repente, essa nova face da realidade está nos apresentando caras muito legais que moram lá do outro lado do mundo. De repente, saímos sem lenço e sem documento, enfeitiçadas por promessas que invariavelmente não irão se cumprir. Isso porque o cara do outro lado da tela, assim como o cara da balada, do seu escritório ou da sua igreja, é apenas um ser humano. Cheio de falhas. E que não, não tem a obrigação de te fazer feliz. E nem de pagar a sua passagem.

Conselho que é bom não é dado, e sim vendido, então por favor, compre esses aqui:

1. Não venha para a Índia de bolso vazio. Tenha a dignidade de não aceitar que ele pague as suas despesas e mostre ao mundo que a luta pelos direitos das mulheres tem valido sim a pena. Acredite, a cada segundo uma mulher é violentada em alguma parte do mundo, e se insistirmos em continuar dependentes, nada vai mudar NUNCA.
2. Não se iluda. Tenha a medida certa daquilo que você vai encontrar aqui: uma cultura totalmente diferente da sua, com pessoas que têm uma noção muuuuito diferenciada acerca de sentimentos, acerca do amor.
3. Vão pensar que você é puta sim. Mas não chore. É muito melhor ser puta e usar da sua liberdade pra fazer o que bem entender, do que viver vida toda sendo nada além de um mero ornamento em uma sociedade estupidamente machista.
4. Sim, se você estiver planejando vir morar aqui, terá que aprender a enfrentar a realidade espaço-temporal com bravura. Ou então ir embora chorando porque lhe chamaram de puta. Porque afinal de contas, se você não se vestir, agir e falar meticulosamente como um cãozinho adestrado, você será mal-vista sim, e isso não tem nada que ver com a quantidade de homens que você teve nessa sua vida.
5. Se ele no fim terminar com você e ainda tirar onda que só queria transar, não ligue. Afinal de contas você 1) gozou também (espero) 2) não merece passar a vida toda ao lado de um palerma machista como esse.

Enfim, fica dica.Devathai.. Bjos

8 comentários:

  1. Ola Deva,
    sou leitora do seu blog ha algum tempo, e nao resisti a deixar um comentario neste post.
    Concordo plenamente com voce, relacionamento eh risco, seja com o vizinho de muro, seja com alguem do outro lado do mundo. Quem se ilude com promessas de amor pela internet, se ilude com o carinha bebado da balada tambem.
    Mas claro, isso nao quer dizer que nao existam historias verdadeiras de amor...mas isso tmb nao quer dizer que soh pq o cara eh indiano, ou de qualquer outro lugar, o desencanto nao possa acontecer, seja de um lado ou outro.
    O meu namorado eh de Trinidade e Tobago, de familia indiana e como todo romance pede...somos romanticos. Independente de qualquer fator, eu acredito que nossa vida juntos PODE dar certo, ou errado.
    Bjocas, Namaste

    ResponderExcluir
  2. Valeu Flávia, mandou MUITISSIMO BEM!!! O texto ta perfeito, eu aconselho TODA mulher a ler esse texto. Com perdão da expressão, você é FODA garota! Te admiro demais!!!!
    Assim como você sou feminista e concordo em genero numero e grau com tudo que disse!
    Tiro o chapeu e bato palmas para você! Take a bow!
    beijoooooos gata

    Dani [huumm...qual das danis? Nem a deva, nem a Chandra...aquela outra, do Rio =D]

    ResponderExcluir
  3. LANDY AMADA...
    É A DEVA...Bjs...Namastê

    ResponderExcluir
  4. Flávia como você é linda!Lá no seu blog não dá pra ver fotos assim.
    beijão!

    ResponderExcluir
  5. Adorei
    você pensa como eu... pessoas boas e pessoas más existem em todo mundo, eu tenho um namorado indiano, muitas vezes ele toma atitudes estranhas para mim, assim como devo ser muito esquisita pra ele, nossas culturas são muito diferentes e nossas experiências nem se fala.
    Mas vamos vivendo e ver como se comporta nossa história... espero que bem dentro do possível...rs

    ResponderExcluir
  6. Are baba...falou bonito...isso mesmo...estou me relacionando com um indiano via internet...mas é muito dificil pois não sei falar ingles qual mais indiano...dai fico usando o google tradutor...começou na amizade e agora não conseguimos ficar um minutos sem nos comunicarmos...é um sentimento muito forte...não sei explicar...mas tenho muita fé que vai dar tudo certo...Namastê!!!

    ResponderExcluir
  7. adorei
    tenho um indiano em minha vida, ele é mais qe amigo e não é meu namorado, afinal, nós ois estamos perdidos. Ele está "prometido" e eu sou separada e tenho um filho. Conversamos sobre tdo, mas sempre com o pé no chão. Se ele achar qe sou puta, não ligo, sou eu mesma.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua participação e não esqueça doe sorriso,não custa nada...Namaska.